quinta-feira, 14 de setembro de 2017

1009 - Semente mágica: a transformação de água contaminada em potável

Em 2016, os jovens cientistas Letícia Pereira de Souza, 18, e João Gabriel Stefani Antunes, 15, naturais de São Paulo e estudantes em Fortaleza, ganharam o "Prêmio Impacto na Comunidade" da Google Science Fair.
Os estudantes concorreram com projetos de 107 países. A escolha do seu tema, Semente Mágica - Transformando água contaminada em água potável, foi motivada pelo desastre ecológico de Mariana (MG), no qual lama de rejeitos de mineração contaminaram 500 quilômetros do rio Doce. Um dos destaques revelados na pesquisa que eles realizaram foi o seu baixo custo: menos de 1 centavo para limpar um litro de água.
Resumo
O projeto Semente Mágica utilizou extratos da semente de Moringa oleífera para despoluir a água. Essa semente tem propriedades coagulantes que facilitam a purificação de diversos materiais orgânicos presentes na água poluída. Ela também reduz a quantidade de microrganismos presentes na solução, tornando a água potável. Pretendemos usar o projeto para levar água potável para comunidades que não têm acesso a ela, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo. Segundo a ONU, a água poluída mata mais pessoas do que todas as formas de violência, incluindo as guerras. Queremos, portanto, usar uma alternativa simples e barata para resolver esse problema.
A Moringa oleífera é uma alternativa viável e efetiva para o tratamento de água?
Sim. Após realizados todos os testes, pudemos perceber que a semente é uma alternativa viável para o tratamento de água, especialmente para populações de baixa renda que não têm acesso a um tratamento especializado de água, pois a Moringa oleífera tem baixo custo e alta eficiência, sem trazer consigo os riscos dos coagulantes inorgânicos.
Devido ao fato de a semente ser utilizada triturada, uma alternativa eficaz para a distribuição para a população seria em pequenos sachês contendo a concentração ideal para um litro de água. Eles poderiam ser distribuídos para comunidades sem acesso à água tratada ou vítimas de desastres, as quais perderam momentaneamente o acesso a água de qualidade.
N. do E.
A ação da Moringa na limpeza de águas sujas já era do conhecimento de moradores da Região da Ibiapaba (CE), como pude constatar ao entrevistá-los localmente, na época em que eu lidava com o controle da silicose no Estado do Ceará.

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

1008 - O "cloro" da piscina

É crença geral que os olhos ficam vermelhos numa piscina devido ao cloro. No entanto, a causa real é mais nojenta: o cloro é parcialmente responsável, sim, mas a causa maior é um produto da reação deste gás com o suor, a urina e (até mesmo) as fezes remanescentes na piscina. Este produto da reação do cloro com os fluidos corporais é a cloramina, a real causa da irritação ocular.
Mesmo o cheiro característico de "cloro" da piscina não é realmente dele, mas sim da cloramina. Quando cheira muito a "cloro" é porque há muitos fluidos corporais na água da piscina reagindo com o cloro, o que não não sobrando muitas moléculas de cloro para cumprir seu trabalho desinfetante. Então, se uma piscina cheira fortemente a "cloro" você deveria reconsiderar a ideia de nadar. E é por isso, também, que você tem sempre de tomar uma ducha antes de entrar na piscina. E, claro, não fazer xixi nela.
Vídeo Why Do Your Eyes Get Red in the Pool?
Blog EM

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

1007 - A poluição do ar mata 40 mil pessoas por ano no Reino Unido?

Os riscos para a saúde pública decorrentes da má qualidade do ar são considerados semelhantes aos da obesidade no Reino Unido, mas aumentar a conscientização pública sobre esse problema invisível tem sido difícil. Ninguém tem "morte por poluição do ar" registrada na declaração de óbito, dificultando a previsão do número de mortes por ano atribuíveis ao NO2 (dióxido de nitrogênio). Um relatório do Royal College of Physicians sugere que poderia ser em torno de 40 mil óbitos, uma estimativa sujeita a grandes margens de erro (discutidas com mais detalhes pelo estatístico Sir David Spiegelhalter, do WinstonCentre). O cálculo de um número exato não é essencial, pois esses casos extremos provavelmente serão a ponta do iceberg em termos de impactos na saúde e grupos vulneráveis, como crianças ou asmáticos, estão em maior risco.
Os efeitos da exposição a longo prazo a uma má qualidade do ar são notoriamente difíceis de provar e os impactos da exposição cumulativa ou a co-exposição a poluentes múltiplos do ar são amplamente desconhecidos. Os danos de quantificação com base em medidas de exposição podem ser problemáticos, com complicações adicionais decorrentes de diferentes exposições entre regiões, e até mesmo entre indivíduos na mesma rua. No entanto, um workshop realizado na Royal Society reuniu especialistas no campo da qualidade do ar, onde o consenso apoiou que, apesar da incerteza, a evidência existente era suficiente para tomar medidas para reduzir os efeitos negativos da má qualidade do ar.

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

1006 - Semelhanças bioestruturais

"Algumas vezes o Criador planeja no DNA umas combinações estranhas de estruturas semelhantes em criaturas diversas e até de reinos diferentes, como se Ele estivesse brincando de Lego ou até cansado de inventar outras formas, ninguém jamais saberá seus desígnios." ~ Winston Graça
Nagapushpam, uma flor rara do Himalaia



RX de tórax normal

Graça, W. Outro Saco de Gatos. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2016. p. 203
ISBN 978-85-420-0825-8

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

1005 - Meia-idade

Conceitos
O período de vida compreendido entre a maturidade e a velhice, geralmente, entre os 40 e os 55 anos.
Na classificação etária proposta pela Organização Mundial da Saúde (OMS), são consideradas na meia-idade as pessoas com 45 a 59 anos. (https://revistas.pucsp.br/index.php/kairos/article/viewFile/18926/14090)
É quando você começa a se repetir e seu queixo segue o mesmo exemplo.
No Preblog: UMA IDADE DIFÍCIL

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

1004 - O Museu da Menstruação

Se você está, ou já esteve, ou alguma vez poderá estar envolvido com a reprodução humana, provavelmente aprenderá coisas interessantes visitando o Museu da Menstruação.
O museu atualmente funciona pelo sistema online, mas está procurando instalar-se fisicamente em uma casa na cidade de Nova Iorque, uma metrópole em que a reprodução humana, segundo se acredita, ocorre com alguma frequência.

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

1003 - Richard Doll: um estudo de 50 anos

Sir William Richard Shaboe Doll (Londres, 28 de outubro de 1912 — Oxford, 24 de julho de 2005), epidemiologista inglês.
Nunca saberemos com certeza que nomes serão lembrados no futuro como referências no campo das ideias e da produção de conhecimento nas esferas da Epidemiologia e da Saúde Pública, mas além de John Snow, seguramente Richard Doll estará entre eles. Seus trabalhos sobre a associação entre tabagismo e câncer de pulmão são presença obrigatória nos livros texto de Epidemiologia e uma constante nas atividades de formação de profissionais de saúde e pesquisadores nestas áreas.
Finalizada a 2ª Guerra, ganhava força o debate entre trabalhadores e os dirigentes conservadores na Inglaterra para a criação do Sistema Nacional de Saúde a primeira experiência desta natureza no mundo capitalista. É no meio deste debate, que Doll é convidado por Bradford Hill – um dos grandes nomes da Bioestatística naquele período –, para ajudá-lo na análise da crescente elevação de casos de câncer de pulmão em homens que estavam sendo diagnosticados no país.
O que Doll, tanto como Hill, então acreditavam piamente que a causa daquele fenômeno era a crescente poluição urbana decorrente da ampliação da frota de automóveis circulando por Londres e demais grandes cidades inglesas. Esta convicção era tão marcada que seus estudos iniciais foram realizados analisando a distribuição do câncer de pulmão em guardas de trânsito, em comparação com aquela verificada entre os demais trabalhadores.
Para sua surpresa, a similitude de resultados em ambos grupos, levou-os a ampliar o espectro dos possíveis fatores de risco, o que acabou conduzindo aos clássicos resultados dos estudos revelando a associação daquela neoplasia com o hábito de fumar, hipótese então considerada inusitada e surpreendente. Na Inglaterra dos anos 40, cerca de 80% dos homens adultos eram fumantes, hábito de vida então considerado como sofisticado e de bom gosto. As contra-capas de importantes revistas médicas daquele período apresentavam propagandas da indústria do tabaco com pretensos diálogos, nas quais os personagens centrais eram profissionais de saúde, como médicos e enfermeiras, destacando suas preferências pelas diferentes marcas de cigarro, assim associadas à imagem de credibilidade e aceitabilidade social daqueles profissionais.
Com os trabalhos de Doll e a contundência de seus resultados, o tabagismo sofre um de seus primeiros grandes golpes e, em poucos anos, diminui a prevalência de fumantes nas camadas socais de maior escolaridade e renda na Inglaterra. Seu impacto geral para a saúde pública e nas atividades de promoção da saúde foi tão marcado que Doll recebe da realeza inglesa o grau de "Sir", sendo seu nome várias vezes sugerido posteriormente na indicação para Premio Nobel de Medicina, o que acabou nunca se materializando.
Extraído de "We Lost Richard Doll", por Sergio Koifman
http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2005000300002
Ver também: Sir Richard Doll: A life's research, BBC News
No final da década de 1970, Richard Doll esteve em Fortaleza onde proferiu uma palestra para o corpo clínico do Hospital de Messejana.

quinta-feira, 27 de julho de 2017

1002 - Plataformas de comunicação médico-médico e médico-paciente

Antes das mídias digitais, a comunicação escrita, desde os bilhetes, passando pelas cartas e alcançando os telegramas, serviam para a troca de informações entre as pessoas e, naturalmente, entre médicos e seus pacientes, e entre estes e seus pares. Muitos escritos resgatados compõem atualmente o acervo da história da medicina, vários tão revolucionários nos aspectos científicos que trouxeram lúmen a descobertas ou possibilitaram estudos para aprofundar teses que mais tarde foram validadas por notórios pesquisadores. Um desses exemplos está na obra do pai da psicanálise, o neurologista Sigmund Freud. Portanto, as trocas de informações não podem ser tratadas como deletérias, a não ser que impliquem em dano ao que se postula como correto, ético e científico.
A tecnologia continuou dando saltos qualitativos com o advento da telefonia, que encurtou distâncias e possibilitou comunicações instantâneas entre pessoas e como tal alcançou o médico e a medicina. Pacientes e médicos passaram a ter um instrumento de aproximação que permitiu orientações emergenciais e passagem de dados via verbal, dando ensejo aos médicos fornecer orientações seguras e salvadoras, quer a pacientes e seus familiares, quer a outros médicos ou equipes institucionais. Com o telefone veio o fax, que permitiu a remessa de documentos fac-símile, outra revolução, porque foi possível passar dados quase que em tempo real, também incorporado à prática médica com rapidez e segurança.
O advento das transmissões por rádio ampliou a abrangência das ações, expandindo as intervenções para fronteiras que antes sofriam os limites físicos da ausência das infraestruturas baseadas em cabos e fios. Os dados continuaram sendo transmitidos, com cada vez mais velocidade.
Chega então a era televisiva, que incrementa as comunicações com a transmissão de imagens e áudios. Daí para a rede mundial de computadores tivemos um salto formidável.
A Internet é apenas mais uma etapa nessa constante evolução dos seres humanos para encurtar distâncias e permitir que interajam em tempo real.
As mídias sociais se inserem nesse contexto evolutivo, e tem mais aspectos benéficos que maléficos quando aplicados dentro de rigorosos critérios de controle.
Extraído do PARECER CFM nº 14/2017, que teve como relator o Cons. Emmanuel Fortes S. Cavalcanti, e cuja conclusão foi a seguinte:
O WhatsApp e plataformas similares podem ser usados para comunicação entre médicos e seus pacientes, bem como entre médicos e médicos em caráter privativo para enviar dados ou tirar dúvidas com colegas, bem como em grupos fechados de especialistas ou do corpo clínico de uma instituição ou cátedra, com a ressalva de que todas as informações passadas tem absoluto caráter confidencial e não podem extrapolar os limites do próprio grupo, nem tampouco podem circular em grupos recreativos, mesmo que composto apenas por médicos, ressaltando a vedação explícita em substituir as consultas presenciais e aquelas para complementação diagnóstica ou evolutiva a critério do médico por quaisquer das plataformas existentes ou que venham a existir.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

1001 - Anvisa aprova o registro do primeiro medicamento à base de Cannabis sativa

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o registro do medicamento específico Mevatyl® (tetraidrocanabinol (THC), 27 mg/mL + canabidiol (CBD), 25 mg/mL), canabinoides obtidos a partir da Cannabis sativa, na forma farmacêutica de solução oral (spray). É o primeiro medicamento registrado no país à base de Cannabis sativa.
O novo medicamento Mevatyl®, registrado em outros países com o nome comercial Sativex®, é indicado para o tratamento sintomático da espasticidade moderada a grave relacionada à esclerose múltipla, sendo destinado a pacientes adultos não responsivos a outros medicamentos antiespásticos e que demonstram melhoria clinicamente significativa dos sintomas relacionados à espasticidade durante um período inicial de tratamento com o Mevatyl®. O medicamento é destinado ao uso em adição à medicação antiespástica atual do paciente e está aprovado em outros 28 países, incluindo Canadá, Estados Unidos, Alemanha, Dinamarca, Suécia, Suíça e Israel.
Mevatyl® não é indicado para o tratamento de epilepsia, pois o THC, uma de suas substâncias ativas, possui potencial de causar agravamento de crises epiléticas. O medicamento também não é recomendado para uso em crianças e adolescentes com menos de 18 anos de idade devido à ausência de dados de segurança e eficácia para pacientes nesta faixa etária.
Conforme dados de estudos clínicos realizados com Mevatyl® a ocorrência de dependência com o seu uso é improvável. Mevatyl® será comercializado com tarja preta em sua rotulagem e a sua dispensação ficará sujeita a prescrição médica por meio de notificação de receita A prevista na Portaria SVS/MS nº 344/1998 e de Termo de Consentimento Informado ao Paciente.
TVT - vídeo Maconha Medicinal
Curiosidade - Por que a maconha dá larica?, Super Interessante

quinta-feira, 13 de julho de 2017

1000 - NOVA ACTA

Chegamos hoje à milésima nota do blog Acta Pulmonale.
Esta é uma postagem que marca a mudança do nome do blog para Nova Acta. O endereço eletrônico continua sendo o mesmo (airblog-pg.blogspot.com.br), o que não modifica a forma de ser acessada a página principal.
As notas, que eram postadas a cada três dias, passarão a ser publicadas a cada sete dias.

segunda-feira, 10 de julho de 2017

999 - Recusa de vacinas: causas e consequências

Revolta da Vacina - Charge publicada, em 1904, sobre o motim popular no Rio de Janeiro contra as medidas sanitárias de Oswaldo Cruz, que incluíam a obrigatoriedade da vacinação antivariólica. In: Com quem ficou a varíola?, EntreMentes
"No final do século XX, o CDC (Center for Disease Control and Prevention), órgão máximo da saúde pública dos Estados Unidos, publicou uma lista das dez maiores conquistas do país no campo da saúde pública entre 1900 e 1999. Em primeiro lugar estavam as imunizações. Conclusão semelhante com certeza seria verificada em qualquer outro país que publicasse esse tipo de avaliação. De fato, ao lado das melhorias sanitárias, em particular a oferta de água tratada, nada trouxe tantos avanços em benefícios da saúde humana quanto as vacinas. Estima-se que estas, isoladamente, sejam responsáveis nos últimos dois séculos por um aumento de cerca de 30 anos em nossa expectativa de vida.
E, no entanto, ainda há grupos de médicos e leigos que enchem a mídia, em particular a eletrônica, de informações negativas sobre as vacinas e de veementes apelos contra seu uso. Qual é a origem dessas informações? Algumas por má-fé (tríplice viral e autismo), outras por erros científicos (vacina da hepatite B e esclerose múltipla), por crenças religiosas ou filosóficas e ainda outras pelo simples desconhecimento dos fatos e dos dados abundantemente fornecidos por fontes científicas de seriedade indiscutível e, porque não, pela própria história da humanidade e da medicina em particular."
Encontra-se disponível na internet - para ler e baixar - o livro Recusa de vacinas: causas e consequências, de Guido Carlos Levi.Se ele servir para aumentar a confiança nas vacinas naqueles que já as utilizam e levantar algumas dúvidas naqueles que são contrários, já terá servido a seu objetivo, como diz o autor.

sexta-feira, 7 de julho de 2017

998 - Fórum. DPOC em Foco

Na noite de terça-feira (4), médicos pneumologistas de Fortaleza reuniram-se no restaurante Cabana del Primo onde participaram do fórum "DPOC em Foco".
Vídeo-conferencistas: Dr. José Roberto Jardim, professor de pneumologia da Unifesp, e Dr. Paul Jones, professor de medicina respiratória do St. George’s, University of London
José Roberto Jardim tem como principais áreas de atuação: reabilitação pulmonar, DPOC, asma e fisiologia pulmonar; Paul Jones desenvolveu o St George's Respiratory Questionnaire, também conhecido como o SGRQ (publicado pela primeira vez em 1992), que se tornou a medida de referência do seu tipo em todo o mundo.
"É importante avaliar o paciente e identificar sua necessidade individual."
"Uma breve mas abrangente avaliação da vida do paciente pode ajudar a informar a melhor abordagem."
"É importante escutar o que o paciente está dizendo e dar-lhe tempo para responder as perguntas."
Lembretes
Anoro Ellipta: beta 2 agonista + antagonista muscarínico
- mecanismos de ação: umeclidínio (anticolinérgico) e vilanterol (LABA)
Relvar Ellipta: beta 2 agonista + corticosteróide
Avamys
Contato: Maurício (GSK)

terça-feira, 4 de julho de 2017

997 - "Um oceano de ar"

Ao fazer alguns cálculos muito fáceis, descobri que a causa atribuída por mim (ou seja, o peso da atmosfera) deveria por si só oferecer uma resistência maior do que quando tentamos produzir um vácuo."
 "Vivemos submersos no fundo de um oceano de ar." ~ Evangelista Torricelli (1608—1647), cientista italiano e inventor do barômetro.
Ver também: o higrômetro e o termômetro.

sábado, 1 de julho de 2017

996 - A escarradeira Hygéa

Para a médica pneumologista e blogueira Ana Margarida Rosemberg, 
autora da nota " As escarradeiras na luta contra a tuberculose".


As escarradeiras foram intensamente utilizadas no século XIX, quando se considerava "de bom-tom" o hábito de se expelir secreções em público. Fabricadas em porcelana, faiança fina, vidro ou metais nobres eram utilizadas nos espaços sociais das unidades domésticas, basicamente na sala e no gabinete de fumantes, e eram também deixadas à disposição das visitas, no chão, em geral aos pares, ladeando os sofás. Eram um equipamento habitual nas residências das pessoas de alto e médio poder aquisitivo.
Um anúncio de 1926, nos apresenta uma escarradeira de "limpeza automática sem intervenção manual" e que "cumpria as exigências dos regulamentos de saúde pública". Tinha o sugestivo nome de "Hygéa" (imagem ao lado). Na mitologia romana, Hygea ou Hygia era a deusa da saúde, limpeza e saneamento.
Nos atuais nosocômios ainda são fornecidas escarradeiras aos pacientes que delas necessitam. São feitas com aço inoxidável e dispõem de uma tampa que sobe ao ser manualmente acionada. Na visita médica, costumamos pedir aos pacientes que abram as escarradeiras para que possamos ver as características das secreções respiratórias coletadas.
Fontes
http://anamargarida-memorias.blogspot.com.br/2016/11/as-escarradeiras-na-luta-contra.html
http://www.propagandashistoricas.com.br/2013/09/escarradeira-hygea-1926.html
https://en.wikipedia.org/wiki/Hygieia

quarta-feira, 28 de junho de 2017

995 - Órgãos da anatomia humana recortados em papel

O artista do papel com sede em Toronto, Ali Harrison, da Light + Paper, cria elegantes recortes de órgãos e partes da anatomia humana, Algumas de suas obras são cortadas à mão e as mais complexa e intrincadas são cortadas a laser, o caso dos órgãos humanos.
Eles podem ser vistos em seu site e em sua conta no Instagram e estão à venda no Etsy.
No Acta:
192 - Esculturas virais
247 - Pulmão ou floresta?
419 - Pneumotórax catamenial
465 - Secções anatômicas de papel dobrado
589 - Armaduras para órgãos
667 - O diatomista
791 - Anatomia pneumática
985 - Esqueleto de mão em origami

domingo, 25 de junho de 2017

994 - Eva mitocondrial

Em 1986, pesquisadores da Universidade da Califórnia concluíram que todos os humanos eram descendentes de uma única mulher que viveu na África há cerca de 200 mil anos, que denominaram de Eva mitocondrial. Eles se basearam na análise do DNA retirado das mitocôndrias, que difere do DNA do núcleo da célula e é transmitido apenas pela linhagem feminina. Ele sofre mutações em rápidas proporções.
Comparando o DNA mitocondrial de mulheres de vários grupos étnicos, eles puderam estimar quanto tempo se passou para que cada grupo assumisse características distintas a partir de um ancestral comum. De fato, eles construíram uma árvore genealógica para o gênero humano, na base da qual estava a Eva mitocondrial, a grande ancestral de todos os humanos. Isto não significa que ela foi a única mulher existente em sua época, mas que foi a única que produziu uma linhagem direta de descendentes por linha feminina que persiste até a presente data.
Imagem - Através de deriva genética aleatória a linhagem feminina pode ser traçada chegando-se a uma única ancestral comum.
Descobertas recentes, contudo, revelaram que o DNA mitocondrial pode estar a sofrer mutações muito mais rápido do que se pensava anteriormente. Outros estudos mostram mutações cerca de 20 vezes mais rápido do que se esperava.
As mitocôndrias são organelas presentes no citoplasma das células de organismos superiores, imprescindíveis ao processo de respiração celular. Possuem um tamanho que varia de 0,5 a 1,0 μm de comprimento e são consideradas fábricas de energia, pois processam o oxigênio e a glicose convertendo-os em ATP. Estas organelas, diferentemente das outras, possuem carga genética própria conhecida como DNA mitocondrial (mtDNA). Este não é como o DNA nuclear que possui longas fitas, formadas por dupla hélice e que codificam cerca de 100.000 genes. O mtDNA representa apenas 1 a 2% do DNA celular, em duplo filamento circular, codificando apenas 37 genes. Possui genoma haplóide, por ser apenas de origem materna, não havendo recombinação, pois as mitocôndrias dos espermatozoides são destruídas pelo gameta feminino (óvulo) logo após a fecundação.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

993 - O teste de Marsh

Arsênico é talvez o veneno mais prolífico da história, e por várias razões: tem sido historicamente fácil de obter, é inodoro e insípido, pode ser introduzido calmamente, ao longo do tempo, em pequenas doses despretensiosas e, no final, os sintomas do envenenamento por ele imitam aqueles de algumas doenças comuns. Durante a maior parte da história, não havia maneira confiável de detectá-lo, e assim o arsênico era uma ameaça à espreita, com mortes comuns e sub-relatadas.
Sabia-se, a partir de processos químicos documentados do século XVIII, que o ácido arsênico reagia com o zinco para produzir o gás arsino e, em 1836, descobriu-se que o gás, quando aquecido a uma determinada faixa de temperatura, deixava uma película estável de arsênico metálico em um pedaço vidro ou porcelana - um indicador que veio a ser chamado de "espelho de arsênico". Era este o princípio do teste de James Marsh (1794 - 1846), que podia detectar com precisão pequenas quantidades de veneno no corpo humano e, para deleite dos promotores, era aplicável em cadáveres antigos.
Além disso, o "espelho revelador" fazia uma apresentação convenientemente clara e dramática na sala do tribunal.
Talvez o uso mais famoso do teste de Marsh tenha sido no julgamento de Marie Lafarge, em 1840, no qual esta foi acusada de envenenar seu marido. A jovem Marie tinha entrado em um casamento arranjado com Charles Lafarge acreditando que ele era um rico e culto empresário, mas, quando ela descobriu que ele, na verdade, era um "lascado", com hábitos sexuais ásperos e dívida substancial, passou a colocar arsênico na comida dele.
Os amigos mencionaram que a ouviram perguntar, casualmente, sobre as obrigações com o luto (Quanto tempo você teve que se vestir de preto?). Daí, quando Charles percebeu que a devoção de sua esposa para cozinhar em casa não era um gesto de amor, já era tarde demais.
A análise preliminar do estômago de Charles, com o procedimento de Marsh, não encontrou qualquer sinal de arsênico, mas agora era a vez da promotoria chamar Mateu Orfila, reitor da Faculdade de Medicina de Paris e principal toxicólogo da época, para o seu lado. Citando uma pesquisa do cientista que afirmava que o estômago podia ser capaz de expelir o veneno, eles disseram que os testes teriam de ser feitos em outros órgãos e tecidos de Lafarge para somente então se obter um resultado verdadeiramente definitivo.
A acusação levantou também o espectro de erro do usuário: era a primeira vez que os cientistas locais haviam realizado o notoriamente difícil teste de Marsh, em que precisavam de muita habilidade e familiaridade para acertar.
Neste ponto, nada mais restava do pobre Charles Lafarge, cujo corpo quando exumado se dizia semelhante a uma "espécie de pasta, em vez de carne". E, para superar o ônus da prova, foi o próprio Orfila que fez a análise final. Ele detectou com facilidade arsênico naquela pasta de órgãos, e Marie Lafarge foi condenada a trabalhos forçados.
Extraído de The Dramatic Courtroom Demo Designed to Expose Arsenic Murders, in Atlas Obscura.
Ilustração: Dois cientistas fazendo o teste de Marsh, 1856.SCIENCE HISTORY IMAGES/ALAMY
Ver também: 495 - O trono do conhecimento

segunda-feira, 19 de junho de 2017

992 - Medicamentos sujeitos a controle especial

A Vigilância Sanitária de Fortaleza publicou um manual com informações claras e diretas para a resolução das dúvidas mais comuns relacionadas à prescrição de substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial.
Nele o prescritor encontra informações sobre:
  • os modelos de Receituários e Notificações de Receita;
  • a forma de aquisição dos talonários de Notificação de Receita;
  • o preenchimento correto das receitas e Notificações de Receita;
  • a lista de substâncias sujeitas a controle especial.
Esta é uma contribuição para a disseminação do conhecimento técnico e o fortalecimento de estratégias para a efetivação do controle e fiscalização de substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial.
Link para o MANUAL.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

991 - Luz, mais luz


"Licht, mehr Licht." ~ atribuída a Goethe
Em 1993, uma manchete no National Enquirer zombou da National Science Foundation (Fundação Nacional da Ciência) por financiar o professor Jonathon Copeland, da Geórgia do Sul, em seus estudos com os vagalumes (*) em Bornéu.
 - Não é uma ideia brilhante.
O tabloide atribuía a frase acima a um representante republicano de Wisconsin.
Ironicamente, na mesma semana em que este artigo foi publicado, apareceu outro artigo na revista Time relatando que os médicos estavam usando a luciferase, a enzima responsável pela bioluminescência dos insetos lampirídeos, em testes de resistência a drogas por cepas do bacilo da tuberculose.
Vagalume ou vaga-lume?
Ler: https://dicionarioegramatica.com.br/tag/vagalume-ou-vaga-lume/
Os vagalumes, pela beleza e pelos fachos de luz que carregam e proporcionam deslumbramento em locais mais escuros onde a natureza ainda impera, não deveriam ter hífen. Os vagalumes vagam acima da nova ortografia luso-brasileira. Comentário de um leitor do blog Nova Ortografia, de Gabriel Perissé.
(*) Numa edição revista e ampliada desta nota talvez eu escolha a opção "pirilampos". N. do E.

terça-feira, 13 de junho de 2017

990 - Os métodos gráficos de Florence Nightingale

Florence Nightingale (12 de maio de 1820 - 13 de agosto de 1910) é lembrada como a mãe da moderna enfermagem. Mas poucos se recordam de que seu lugar na história (de acordo com a BBC, era provavelmente a pessoa mais famosa da Era Vitoriana, além da própria rainha Vitória) está relacionado, pelo menos em parte, ao uso que ela fazia da Estatística. Utilizando-se de métodos gráficos de representação visual para transmitir dramaticamente informações estatísticas complexas a um público amplo. Como, por exemplo, os gráficos setoriais (habitualmente conhecido como gráficos do tipo "pizza"), criados por William Playfair, e o Diagrama de Área Polar (gravura), de André-Michel Guerry.
Crédito da imagem: http://pballew.blogspot.com.br/2017/05/on-this-day-in-math-may-12.html#links
Estatística e religião
Pearson escreveu que as estatísticas foram mais do que um estudo para Florence, elas eram de fato sua religião.
"A dama da lâmpada" sustentava que o universo - inclusive a humanidade - evoluía de acordo com um plano divino. E que os homens deveriam esforçar-se para compreender este plano e orientar suas ações em consonância com ele. Mas, para entender os pensamentos de Deus, deveríamos estudar as estatísticas, pois estas são a medida de Seu propósito. Assim, o estudo da Estatística era para ela como um dever religioso.
K Pearson, A Vida, Cartas e Trabalhos por Francis Galton (1924)

sábado, 10 de junho de 2017

989 - Google já é o médico mais popular

As autoridades sanitárias não precisam esperar por relatórios médicos para detectar a ocorrência de epidemias ou surtos de doenças periódicas como a gripe: basta consultar os algoritmos do Google e identificar as palavras que estão sendo mais pesquisadas.
 O "Doutor Google" é a nova estrela na paisagem da saúde: 49% dos usuários espanhóis da Internet, com idades entre 16 e 74 anos, têm procurado informações sobre medicamentos ou doenças nos últimos três meses, segundo um estudo realizado pelo Eurostat. Uma década atrás, esta taxa apenas alcançava 19%.
Os temas mais consultados estão relacionados com lesões, doenças, nutrição e dicas para melhorar a saúde. Mas a Espanha não é o país que mais rastreia na Europa informações sobre questões médicas. Está em sétimo lugar, a uma distância considerável de Luxemburgo (71%), Dinamarca (65%) e Alemanha (63%).
Entre as razões para este aumento do uso do Google como um oráculo médico estão: a maior facilidade de acessar a Internet, a maior sensibilidade social para manter a boa saúde e as pessoas afetadas pelas doenças que não mais querem ser pacientes passivos.
Siga lendo em Economía Digital.
No Acta:
535 - Sugestões do Google para "pulmão"
604 - Google Flu Trends
744 - Um mundo mais acessível para todos

quarta-feira, 7 de junho de 2017

988 - O microscópio

Acredita-se que o microscópio tenha sido inventado em 1590, por Hans Janssen e seu filho Zacharias, dois holandeses fabricantes de óculos. Tudo indica, porém, que o primeiro a fazer observações microscópicas de materiais biológicos foi o o também holandês Antonie van Leeuwenhoek (1632 - 1723), em seu passatempo de ficar examinando a água de diversas fontes através de gotículas de vidro fundido. No entanto, vários predecessores e contemporâneos de Leeuwenhoek, notadamente Robert Hooke na Inglaterra e Jan Swammerdam na Holanda, já haviam construído microscópios compostos (com mais de uma lente) e estavam fazendo importantes descobertas com eles. Estes eram muito mais semelhantes aos microscópios em uso hoje. Assim, embora Leeuwenhoek seja às vezes chamado de "o inventor do microscópio", ele não o foi de fato.


A palavra microscópio
Do grego mikros, pequeno e skopein, ver.
Esta palavra foi cunhada por Johannes Faber, da cidade de Bamberg, na Alemanha, em 1625. Tendo se utilizado dela em uma carta que ele enviou a Frederico Cesi, fundador da Accademia Nazionale dei Lincei.
Com sede em Roma, esta academia é uma das sociedades científicas mais antigas do mundo e tomou seu nome de um animal reputado pela agudeza visual.
Tudo a ver, portanto.
Pensamento
Evitai de vos observar ao microscópio. Bons olhos, sem vidros, voltados para o que vos cerca é quanto basta. - Joaquim Nabuco

domingo, 4 de junho de 2017

987 - Um mistério nas revistas médicas

Por que há tão poucos artigos em revistas médicas sobre ferimentos causados por cancelas de estacionamento?
Tais ferimentos - que acontecem quando uma cancela de estacionamento encontra um corpo humano - são considerados bastante frequentes. No entanto, o PubMed, um banco de dados preeminente de estudos médicos, quase não inclui trabalhos científicos relacionados com estes acidentes. Por quê? Temos sido negligentes com eles? Ou, então, suas lesões são tão simples de serem tratadas que nenhum profissional médico julga que valha a pena escrever?
Este vídeo mostra um destes (ao que se presume muitos) acidentes:
O mistério de por que há tão poucos artigos nas revistas médicas se estende, também, à questão das lesões sofridas quando um motorista de automóvel tem uma relação fisicamente infeliz com uma máquina de coleta automática de bilhetes de estacionamento.
http://www.improbable.com/2017/05/03/medical-journals-mystery-what-about-those-parking-gate-injuries/
Ver também: Na batuta

quarta-feira, 31 de maio de 2017

986 - Fumar e morrer

O tabagismo é a principal causa evitável de morte nos Estados Unidos da América
O cigarro causa mais de 480.000 mortes por ano nos EUA. É quase uma em cada cinco mortes.
Fumar causa mais mortes a cada ano do que as seguintes causas combinadas:
  • Vírus da imunodeficiência humana (HIV)
  • Uso ilegal de drogas
  • Uso de álcool
  • Lesões por veículos motorizados
  • Incidentes relacionados a armas de fogo
Mais de 10 vezes mais cidadãos americanos morreram prematuramente do tabagismo do que morreram em todas as guerras travadas pelos EUA.
Fumar causa cerca de 90% (ou 9 em 10) de todas as mortes por câncer de pulmão.
Mais mulheres morrem por câncer de pulmão a cada ano do que por câncer de mama.
Fumar causa cerca de 80% (ou 8 em 10) de todas as mortes por doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC).
O cigarro aumenta o risco de morte por todas as causas em homens e mulheres.
O risco de morrer por cigarro aumentou nos últimos 50 anos nos EUA.
Extraído de Health Effects of Cigarette Smoking, CDC
No Brasil, 23 pessoas morrem vítimas de doenças associadas ao cigarro a cada hora.
#cigarromata

segunda-feira, 29 de maio de 2017

985 - Esqueleto de mão em origami

Origami é a arte tradicional e secular japonesa de dobrar o papel, criando representações de determinados seres ou objetos com as dobras geométricas de uma peça de papel, sem cortá-la ou colá-la.
Encontrei na internet um esqueleto de mão feito em origami. O padrão original de dobras para ela foi criado por Jeremy Shafer.
Um excelente vídeo de Jo Nakashima mostra todas as etapas de como produzir esta peça.

sexta-feira, 26 de maio de 2017

984 - I Fórum sobre Epidemia de Chikungunya no Ceará

CONVITE
Sr.(a) Doutor(a)
O Conselho Regional de Medicina do Estado do Ceará, diante da gravidade que se apresenta com a epidemia de Chikungunya, vem, através da Câmara Técnica de Infectologia, coordenada pela Dra. Roberta Santos Luiz, convidar os médicos a participarem do I Fórum sobre Epidemia de Chikungunya no Ceará, que será realizado no dia 27 de maio de 2017, às 8h, no auditório do CREMEC.
As inscrições poderão ser realizadas pelos telefones (85) 988670606 ou (85)31983723, falar com Regina Yale, no horário das 8h às 13h.
Certos de contarmos com a presença de Vossa Senhoria, agradecemos antecipadamente.
Atenciosamente,
Cons. Lino Antonio Cavalcanti Holanda
Secretário Geral do CREMEC
PROGRAMA
Público-alvo: Médicos
Data: 27 de maio de 2017 (Sábado)
Local: Auditório do CREMEC
Inscrições limitadas à capacidade máxima do auditório.
8h Abertura: Dr. Ivan de Araújo Moura Fé.
Coordenação da mesa: Dra. Roberta Santos Silva Luiz. Infectologista do Hospital Universitário Walter Cantídio da UFC - Ministério da Saúde, Coordenadora da Câmara Técnica de Infectologia do CREMEC.
8h15 Epidemiologia atual no mundo, Br e Ce.
Palestrante: Prof. Luciano Pamplona G. Cavalcanti. Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Departamento de Saúde Comunitária – UFC.
8h45 Epidemiologia da Infecção por CKG em Fortaleza.
Palestrante: Dr. Antônio Lima, Coordenador da Vigilância Epidemiológica da SMS de Fortaleza.
9h15 Fisiopatogenia da Infecção por CKG e Espectro clínico.
Palestrante: Prof. Keny Colares, Coordenador do Programa de Pós-graduação em Ciências Médicas – UNIFOR. Programa de Pós-graduação em Patologia - DPML-UFC.
9h45 Dúvidas
10h Intervalo
10h30 Manejo da Infecção por CKG, formas atípicas e graves.
Palestrante: Dra. Roberta Santos S. Luiz. Infectologista do HUWC UFC - Ministério da Saúde, Doutoranda em Medicina Tropical Fiocruz RJ- IOC-UFC.
11h Proposta de Ações para Contenção da Epidemia.
Palestrante: Prof Dr. Ivo Castelo Branco Coelho, Coordenador do Núcleo de Medicina Tropical da UFC.
11h30 Dúvidas
12h Deliberações do Fórum
12h30 Encerramento.

sábado, 20 de maio de 2017

982 - Galeria bacteriana

O biólogo sintético Tal Danino lava as mãos constantemente, um dos riscos ocupacionais de trabalhar com bactérias o dia todo no Synthetic Biological Systems Lab, que ele dirige na Universidade de Columbia, em Nova Iorque. Danino passa a maior parte do seu tempo tentando aproveitar certas propriedades das bactérias - as mesmas propriedades que podem torná-las tão perigosas para os seres humanos - com a finalidade de transformá-las em poderosas agentes do combate ao câncer.
Mas, quando ele não está programando bactérias para combater o câncer, ele as está programando para fazer arte. "É bom usar as artes visuais para ajudar a comunicar a ciência", diz ele, "e isso porque a arte realmente transcende os limites da linguagem e do conhecimento".
Para seu mais recente projeto, Microuniverse, ele produziu em discos de Petri uma série de deslumbrantes imagens abstratas com diferentes espécies de bactérias, após deixá-las crescendo sob diferentes condições ambientais e por vários períodos de tempo.
Bacteria Gallery
Notavelmente, as bactérias podem crescer dentro de tumores, onde mesmo o sistema imunológico humano não pode chegar, e elas também podem ser programadas para produzir toxinas que causam a morte de células tumorais. Usando a clonagem molecular, Danino programa bactérias para que revelem tumores no corpo e, uma vez dentro deles, liberem toxinas de combate ao câncer. "É quase como uma situação do tipo cavalo de tróia", explica ele. "Bactérias entram no tumor e, em seguida, começam a produzir drogas que fazem o tumor entrar em regressão".
No Acta:
179 - Quem criou esta imagem?
503 - Uma homenagem a Petri
631 - A arte bacteriográfica
785 - Arte no ágar
914 - Adaptar-se ou morrer

quarta-feira, 17 de maio de 2017

981 - Laconismo

A história sobre o Dr. Abernethy e uma de suas pacientes é um clássico. Ele era um homem de poucas palavras e a paciente, uma senhora de meia idade, sabia disso.
Entrando em seu consultório, ela descobriu o braço e disse, simplesmente, "queimadura".
"Um emplastro", indicou-lhe o médico.
No dia seguinte, ela retornou, mostrou-lhe o braço e disse "melhor".
"Manter..."
Alguns dias se passaram até Dr. Abernethy vê-la outra vez. Então, ela disse:
"Ótimo. E seus honorários?"
"Nada", respondeu o médico, explodindo numa loquacidade incomum. "Você é a mulher mais sensata que eu já conheci em minha vida!"
William Walsh Shepard, Handy-Book of Literary Curiosities, 1892

domingo, 14 de maio de 2017

980 - A confusão mental dos idosos

Arnaldo Lichtenstein é médico, clínico-geral do Hospital das Clínicas e professor colaborador do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP). Ele tem algumas recomendações simples, porém muito importantes.
"Durante as aulas de clínica médica que ministro aos estudantes do quarto ano de Medicina, a certa altura, faço a seguinte pergunta:
- Quais as causas mais comuns de confusão mental nas pessoas idosas?
Alguns tentam adivinhar: "Tumor no cérebro".
Eu respondo: "Não".
Outros arriscam: "Mal de Alzheimer".
Novamente, respondo: "Não".
A cada negativa os alunos vão demonstrando espanto.... E ficam ainda mais boquiabertos quando menciono os três motivos mais comuns:
  • Diabetes fora de controle;
  • Infecção urinária;
  • A família foi passear e deixou o avô e a avó em casa, para não se cansarem.
Embora pareça brincadeira, não é não! Como o avô e a avó não sentiram sede, não ingeriram líquidos.
Quando não há ninguém mais em casa para lembrá-los de tomar água, chá ou sucos, eles desidratam-se rapidamente.
A desidratação pode vir a ser grave, afetando todo o organismo. Pode causar confusão mental repentina, queda de pressão arterial, aumento dos batimentos cardíacos, angina (dor no peito), coma e até o óbito.
O processo natural de envelhecimento faz com que, na terceira idade - que começa aos 60 anos - tenhamos pouco mais de 50% de água no organismo. Portanto, os idosos têm menor reserva de líquidos. Para complicar mais o quadro, mesmo desidratados, eles não sentem vontade de tomar água porque, muitas vezes, há certa disfunção nos seus mecanismos de equilíbrio interno.
Conclusão:
As pessoas idosas desidratam-se com mais facilidade não apenas porque têm menos reserva de água, mas também porque não se dão conta de que necessitam de água. Mesmo que o idoso seja saudável, a falta de líquido reduz o desempenho das reações químicas e funcionais de todo o organismo.
Por esse motivo, aqui estão dois alertas:
O primeiro é para as pessoas idosas: fiquem bem conscientes do hábito de tomar líquidos, mesmo no inverno.
O segundo alerta é endereçado aos familiares: ofereçam, com bastante frequência, líquidos aos idosos. Ao mesmo tempo, prestem atenção. Caso percebam que estão rejeitando líquidos e, que, de repente, ficam confusos, irritadiços, alheios ao que se passa ao redor, cuidado! É quase certo que sejam sintomas de desidratação. Deem-lhes líquidos e procurem logo atendimento médico".
Fonte: TudoPorEmail

quinta-feira, 11 de maio de 2017

979 - Livro: Doença ocupacional

Atualizado até maio de 2016
Resenha
Produzida na Coordenação de Edições Técnicas (Coedit), esta obra proporciona ao leitor o rápido acesso a um conjunto de normas sobre saúde, previdência e segurança no ambiente laboral, fundadas nos preceitos constitucionais relativos à redução dos riscos intrínsecos ao trabalho, sobretudo em atividades penosas, insalubres ou perigosas.
Os dispositivos relacionados ao assunto estão presentes, entre outras, na Lei nº 8.213/1991, que dispõe sobre os planos de benefícios da Previdência Social; na Lei nº 8.112/1990, que trata do regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais; e na Lei nº 8.080/1990, que dispõe sobre as condições para a promoção, a proteção e a recuperação da saúde, e sobre a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes.
Além das disposições constitucionais pertinentes ao tema, o leitor encontra na obra três atos internacionais: o Convênio de Seguridade Social entre a República Federativa do Brasil e o Reino da Espanha, que, firmado em 1991, atualiza as normas convencionais que regulamentam as relações em matéria de Seguridade Social entre os dois países; a Convenção sobre a Inspeção do Trabalho de 1947, também conhecida como Convenção no 81 da OIT; e o Projeto de Convenção Concernente à Indenização das Moléstias Profissionais, de 1934, que obriga todos os membros da OIT a garantir às vítimas de moléstias profissionais uma indenização baseada nos princípios gerais da legislação nacional relativa à indenização dos acidentes de trabalho.
Mais de cinquenta das 112 páginas da obra reproduzem anexos do Decreto nº 3.048/1999, que aprovou o Regulamento da Previdência Social. Entre eles, destaca-se o Anexo II, que contém um vasto rol dos agentes patogênicos causadores de doenças profissionais e as modalidades de trabalho que apresentam riscos.
Baixe gratuitamente este livro em formato digital; AQUI.

segunda-feira, 8 de maio de 2017

978 - Pulmões e plaquetas

O pulmão é um local de biogênese plaquetária e um reservatório para progenitores hematopoéticos
doi:10.1038/nature21706
As plaquetas são fragmentos celulares presentes no sangue críticos para a hemostasia, trombose e respostas inflamatórias, mas os eventos que levam à produção plaquetária madura permanecem incompletamente compreendidos.
A medula óssea tem sido proposta como um importante local de produção de plaquetas, embora haja evidência indireta de que os pulmões também podem contribuir para a biogênese plaquetária. Aqui, por imagem direta da microcirculação pulmonar em ratinhos, mostramos que um grande número de megacariócitos circulam pelos pulmões, onde libertam plaquetas dinamicamente.
Os megacariócitos que libertam plaquetas nos pulmões originam-se de locais extrapulmonares tais como a medula óssea. Observamos grandes megacariócitos migrando para fora do espaço da medula óssea. A contribuição dos pulmões para a biogênese plaquetária é substancial, representando aproximadamente 50% da produção total de plaquetas ou 10 milhões de plaquetas por hora. Além disso, identificamos populações de megacariócitos maduros e imaturos juntamente com progenitores hematopoiéticos nos espaços extravasculares dos pulmões.
Em condições de trombocitopenia e deficiência relativa de células estaminais na medula óssea, estes progenitores podem migrar para fora dos pulmões, repovoar a medula óssea, reconstituir completamente a contagem de plaquetas sanguíneas e contribuir para múltiplas linhagens hematopoiéticas. Estes resultados identificam os pulmões como um local primário de produção de plaquetas terminal e um órgão com considerável potencial hematopoiético.
http://www.nature.com/nature/journal/v544/n7648/full/nature21706.html

sexta-feira, 5 de maio de 2017

977 - Como funciona a pressão sanguínea

Um vídeo TED informativo sobre o funcionamento da pressão sanguínea, sugerido pelo colaborador Jaime Nogueira.
Para colocar neste vídeo as legendas em português, siga as dicas do TudoPorEmail.

terça-feira, 2 de maio de 2017

976 - O risco do suicídio em jovens

A Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), Associação Psiquiátrica da América Latina (APAL) e Conselho Federal de Medicina (CFM) vem a público se manifestar a respeito do risco de suicídio em jovens.
Nos últimos dias, "jogos" praticados por usuários da internet, os quais envolvem tarefas cujo ato final inclui a tentativa de suicídio (o jogo suicidário Baleia Azul, por exemplo), têm sido destaque na mídia e motivo de grande preocupação para pais, educadores e profissionais de saúde. No entanto, os acontecimentos atuais apenas trouxeram à luz um grave problema de saúde pública, ignorado por muitos, mas motivo de preocupação e trabalho contínuo da ABP e de suas federadas.
O suicídio, há anos, é a segunda causa de morte em jovens dos 15 aos 29 anos de idade. Em mulheres, é a principal causa de mortalidade na faixa etária dos 15 aos 19 anos. Apesar de ser o desfecho trágico de um conjunto de fatores – é equivocado e simplista associar o suicídio a uma única causa – estudos mostram que mais de 90% das vítimas apresentavam pelo menos um transtorno psiquiátrico, especialmente a depressão, considerada o principal fator de risco para o suicídio.
Embora faça parte da adolescência, a formação de grupos com símbolos e rituais em comum merece cuidado e atenção quando práticas abusivas e/ou danosas para si ou terceiros são compartilhadas. De fato, a participação do jovem nesses grupos, reais ou "virtuais", pode indicar uma vulnerabilidade prévia a atos impulsivos, além da presença de sintomas depressivos. Mudanças bruscas de comportamento, isolamento social e abandono de atividades prazerosas, tristeza persistente, alterações do sono e apetite, queda no rendimento escolar, lesões sem explicação aparente (sugerindo autoagressão) e mensagens que caracterizam desesperança, despedida ou com conteúdo de morte nas mídias sociais, são um sinal de alerta e não podem ser negligenciadas. Pais, escolas e profissionais de saúde devem estar atentos e capacitados para identificar as transformações que apontam para condutas de risco. É comum que esses adolescentes, fragilizados pela doença psiquiátrica, como depressão, transtorno de estresse pós-traumático ou abuso de substâncias, ao procurar na internet informações que o ajudem a entender o que estão sentindo, entrem em contato com conteúdo não apenas inadequado, como também criminoso. Especial atenção deve ser dada aos adolescentes que sofreram maus tratos na infância (incluindo negligência, abuso emocional e sexual), vítimas de bullying e violência, além daqueles que apresentem automutilação e, principalmente, história prévia de tentativa de suicídio. A Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), a Associação Psiquiátrica da América Latina (APAL) e Conselho Federal de Medicina (CFM) orientam, tanto aos meios de comunicação, quanto à sociedade em geral, que quaisquer intenções de propagação de descrições pormenorizadas dos métodos utilizados pelas vítimas, bem como a divulgação de fatos e cenas chocantes, sejam substituídas por informações responsáveis, que reforcem e disseminem o conhecimento associado à prevenção do suicídio.
Em meio a todas essas notícias alarmantes, a ABP gostaria de passar uma mensagem de esperança: a grande maioria dos suicídios são evitáveis. Embora pensamentos de morte e de suicídio sejam relativamente frequentes em pessoas passando por problemas difíceis, a imensa maioria das pessoas encontra formas mais adequadas de lidar e superar os problemas. O enfrentamento dos problemas, a busca de apoio em familiares, amigos, grupos sociais como os religiosos e a procura de ajuda junto a profissionais de saúde estão entre as estratégias de um enfrentamento bem sucedido. Dentre as estratégias de prevenção, a identificação e o tratamento dos transtornos psiquiátricos são as mais eficazes. Nessa perspectiva, dois aspectos são fundamentais: 1) a disponibilidade de uma assistência integral à saúde mental, que envolva todos os níveis de atendimento, da atenção primária a leitos psiquiátricos de internação durante a crise para o atendimento de casos graves; 2) o combate ao estigma em relação aos transtornos psiquiátricos, certamente a principal barreira entre a desesperança causada pela doença e a busca por ajuda. Em relação ao combate ao estigma, é importante ressaltar: é uma ação vital, que está ao alcance de todo cidadão.
Reforçamos nosso compromisso perante a sociedade para auxiliar na disseminação do conhecimento e de estratégias eficazes para a prevenção do suicídio. Nesse sentido, recomendamos o manual elaborado pela ABP/CFM e dirigido à imprensa: "Comportamento suicida: conhecer para prevenir", da ABP.
Carmita Abdo, Antônio Geraldo da Silva e Carlos Vital - Presidente da ABP, Presidente eleito da APAL e Presidente do CFM
Grato a Fernando Gurgel Filho por trazer o assunto à lembrança.

sábado, 29 de abril de 2017

975 - Palestra. Controle da asma no Brasil

Na noite de quinta-feira (27), médicos pneumologistas de Fortaleza estiveram no Colosso Lake Lounge para assistir a uma videoconferência sobre o Controle da asma no Brasil.
O conferencista, Dr. Roberto Stirbulov, é médico da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e professor adjunto da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Pneumologia, e atuação principalmente nos seguintes temas: testes de função respiratória, asma e asma de difícil controle.
► A asma é uma inflamação crônica dos brônquios, que provoca um bloqueio no fluxo do ar e dificuldade do paciente em respirar. Algumas pessoas desenvolvem a asma na infância, outras ao longo da vida. O diagnóstico é muito importante para o tratamento correto. Apenas 9 por cento dos asmáticos no Brasil têm a doença realmente controlada.
O webmeeting (patrocinado pelo Laboratório Aché) incluiu a apresentação do estudo "Avaliação das tendências prescritivas dos pneumologistas no Brasil" pelo Dr. Stirbulov.
Para ler:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-37132012000400004
[Avaliação da eficácia e segurança da associação de budesonida e formoterol em dose fixa e cápsula única no tratamento de asma não controlada: ensaio clínico randomizado, duplo-cego, multicêntrico e controlado. Autores: Roberto Stirbulov e outros. In: J Bras Pneumol.2012;38(4):431-437]
https://blog.fcmsantacasasp.edu.br/tag/dr-roberto-stirbulov/
http://docslide.com.br/documents/dispositivos-inalatorios-analisando-as-diferencas-roberto-stirbulov-fcm-da-santa-casa-de-sp.html
http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2015/07/pequenas-atitudes-podem-ajudar-evitar-problemas-respiratorios.html

quarta-feira, 26 de abril de 2017

974 - Brasileiro ganha prêmio internacional por estudos sobre amamentação

por Silvano Mendes, RFI CONVIDA (*)
O epidemiologista Cesar Victora, professor emérito da Universidade Federal de Pelotas, no Rio Grande do Sul, foi recompensado com o prêmio canadense Gairdner, uma das honrarias mais respeitadas na área de saúde no mundo.
Victora foi selecionado para o Gairdner por causa de um trabalho sobre a importância da amamentação realizado na década de 1980 nas cidades de Porto Alegre e Pelotas. “O prêmio é concedido muitos anos após a realização da pesquisa porque os organizadores esperam para ver qual o impacto do estudo sobre a saúde global”, explica o professor.
“Nós comprovamos que a criança que é amamentada exclusivamente até os seis meses de vida, sem receber nenhum outro tipo de alimento durante esse período, tem o risco muito menor de morrer devido a uma série de doenças, particularmente a diarreia e as infecções gastrointestinais”, conta o epidemiologista. Os resultados transformaram o Brasil numa referência sobre o tema e, “a partir dos anos 1990, a Unicef e a Organização Mundial de Saúde passaram a recomendar o aleitamento exclusivo no primeiro semestre de vida e isso foi adotado pela maioria dos países do mundo”, celebra o brasileiro.
Crianças amamentadas têm chance de ganhar mais ao se tornarem adultos
As pesquisas de Victora também ajudaram a comprovar que o leite materno estimula o cérebro. “Nós fizemos um estudo, publicado no ano passado, mostrando que as crianças amamentadas têm mais inteligência, mais escolaridade e inclusive uma renda maior aos 30 anos do que crianças dos mesmos grupos sociais, mas que não foram amamentadas”, revela.
O professor espera que o prêmio, que é concedido pela primeira vez a um pesquisador do Brasil, incentive o investimento dos projetos científicos. “A pesquisa da área de saúde teve um grande aporte do Governo Federal nos últimos 15 anos, 20 anos. Mas atualmente, com o país em crise econômica e um governo que está preferindo investir em outras áreas, o financiamento da pesquisa está seriamente comprometido. Eu espero que, mostrando que a pesquisa brasileira é competitiva em nível mundial, nós consigamos sensibilizar as autoridades para que continuem e aumentem os investimentos na pesquisa científica”, conclui o epidemiologista.
(*) Grato a Queile Cabral Soares, do Twitter, por haver direcionado nossa atenção para o assunto.
A Fundação Gairdner foi criada em 1957 com o objetivo de reconhecer e recompensar a excelência internacional em pesquisa fundamental que gere impacto na saúde humana. Sete prêmios são concedidos a cada ano: cinco Canada Gairdner International Awards para a pesquisa biomédica, um prêmio John Dirks Canada Gairdner Global Health Award, por impacto em questões de saúde global, e um Canada Gairdner Wightman Award, para um líder científico canadense. O prazo para a indicação para o Prêmio Gairdner do Canadá de 2018 é até 1º de outubro de 2017.
Postagens relacionadas no Acta
72 - O aleitamento materno
573 - Brasil, referência mundial em doação de leite materno
574 - A pneumonia como causa de mortalidade em crianças
754 - O primeiro país a eliminar a transmissão do HIV de mãe para filho
788 - Uma resposta à altura do insulto
798 - O protesto das mães lactantes
833 - Crianças. Convivendo com a alergia

sábado, 22 de abril de 2017

quinta-feira, 20 de abril de 2017

972 - Vacinação contra a gripe em 2017

A campanha nacional de vacinação contra a gripe, com início a partir de 17 de abril, apresenta a seguinte população-alvo em 2017:
  • adultos de 60 anos de idade ou mais
  • crianças de seis meses a cinco anos de idade
  • trabalhadores da saúde
  • gestantes e puérperas até 45 dias após o parto
  • indígenas
  • presos e adolescentes que cumprem medidas socioeducativas
  • funcionários do sistema prisional
  • portadores de doenças crônicas (diabetes, cardiopatias, pneumopatias etc.) com prescrição médica
  • professores da rede pública e privada (incluídos a partir deste ano)

segunda-feira, 17 de abril de 2017

971 - O charlatão

Charlatanismo é a prática do charlatão, palavra que deriva do italiano ciarlatano, por sua vez derivada de ciarla, ciarlare (de "falar", "conversar"), Neste caso seria equivalente, em português, a "parlapatão" – pois denota o uso da palavra para ludibriar outrem.
Em outros idiomas o charlatanismo adquire a acepção de exercício ilegal da medicina, ao passo que em português tem significado comum de vendedor de substâncias pretensamente medicinais, curativas, que apregoa com vantagens, daí a nome curandeirismo.
Em sentido geral e vulgar, portanto, os termos "charlatanismo" e "curandeirismo" fundem-se e podem ser definidos como toda prática pseudocientífica, apregoada por alguém com vantagens fraudulentas, pecuniárias ou não, ludibriando a outros – isso é, oferecendo algo vantajoso sem realmente ser. O termo inglês quack poderia então ser traduzido como curandeiro.
O charlatão é, para o Direito, um tipo de fraudador. Segundo Magalhães Noronha "É o estelionatário da Medicina; sabe que não cura; é o primeiro a não acreditar nas virtudes do que proclama, mas continua em seu mister, ilaqueando, mistificando, fraudando etc."
No Brasil o charlatanismo é um tipo penal, tipificado no artigo 283 do Código Penal Brasileiro.
Art. 283 - Inculcar ou anunciar cura por meio secreto ou infalível. Pena - detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, e multa.
Note-se que o efeito "cura" não importa: quer a vítima tenha ou não se curado, o charlatão continua incurso no tipo penal.
Imagem: El charlatán (1942), óleo sobre tela de José Chávez Morado, pintor mexicano (Philadelphia Museum of Art).

sexta-feira, 14 de abril de 2017

970 - Boa noite com luzes

Seis anos atrás, o restaurante Hot Club, em Providence, Rhode Island, iniciou o costume de piscar as luzes todas as noites às 8:30, como uma maneira de dizer boa noite para as crianças internadas no Hospital Infantil Hasbro, um hospital de seis andares em frente ao rio Providence.
Começando a piscar a grande placa de néon do restaurante, os clientes que estão no deck do Hot Club também passam a piscar seus telefones celulares e lanternas.
Agora, os hotéis, os arranha-céus, o iate clube, os barcos que trafegam no rio e as viaturas policiais já participam desse ritual noturno. Além de cerca de duas dúzias de crianças que, em qualquer noite, respondem do hospital com as suas próprias luzes.

terça-feira, 11 de abril de 2017

969 - A terapia fotodinâmica, uma abordagem promissora no tratamento da pneumonia

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), campus de São Carlos, descobriram que a luz infravermelha pode ajudar no tratamento da pneumonia, dispensando o uso de antibióticos.
Durante três anos, membros do Instituto de Física de São Carlos (IFSC), em parceria com pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), fizeram testes em animais doentes.
Os camundongos inalaram uma substância usada em exames de contraste (indocianina verde, ICG em inglês). Depois, foram expostos à luz infravermelha (laser na região infravermelha) por meia hora. O laser reagiu com a substância na região dos pulmões e matou as bactérias responsáveis pela pneumonia.
"As bactérias morreram e eles não tiveram dano algum no tecido dos pulmões. Já nos animais que não receberam tratamento essa infecção progrediu, levando a uma pneumonia que provavelmente não teria mais cura" (houve morte em 60% dos animais do grupo-controle), contou a pesquisadora Mariana Carreira Geralde.
Com os resultados, o grupo se prepara agora para a nova fase. "Nos próximos cinco meses nós vamos iniciar os estudos clínicos, então a gente vai começar o tratamento, de fato, de pacientes humanos portadores de pneumonia", afirmou a pesquisadora Natália Inada.
Mais de 70 mil brasileiros morrem com pneumonia todos os anos, segundo o Ministério da Saúde. A pneumonia está entre as doenças que mais causam internações: são mais de 620 mil por ano.
A descoberta foi publicada na revista científica da Sociedade Americana de Fisiologia (Physiological Reports) e representa uma nova forma de lidar com a pneumonia, já que, com os medicamentos convencionais, há o aumento da resistência das bactérias com o passar do tempo e com a luz isso não acontece.
"As bactérias não desenvolveram resistência a esse tipo de tratamento. É uma técnica simples de ser aplicada, com inalação e iluminação, e finalmente é uma técnica dentro da realidade econômica. A ciência tem esse dever de desenvolver coisas que são acessíveis à realidade econômica", comentou o pesquisador Vanderlei Salvador Bagnato.
Para o pneumologista Lennon Tiossi, a descoberta é uma esperança no sentido de evitar o uso exagerado de medicamentos. "Até os antibióticos que hoje são considerados 'top de linha' para tratamento de certo tipo de pneumonia estão fazendo efeito muito inferior e até perdendo o seu efeito devido ao uso indiscriminado", avaliou.
Os grifos entre parênteses são nossos.
Fontes (acessadas em 10/04/2017):
http://physreports.physiology.org
http://g1.globo.com/jornal-hoje/videos
http://www.ifsc.usp.br/terapia-fotodinamica

sábado, 8 de abril de 2017

968 - O braço quebrado de Lawrence

Alan Archibald Campbell Swinton tirou as primeiras imagens de raios-X na Grã-Bretanha em janeiro de 1896 e, um ano depois, os médicos lhe traziam casos cirúrgicos para serem analisados. Em 1908, ele previu exatamente como outra caixa mágica funcionaria. Era sobre a "visão elétrica a distância", que conhecemos hoje como televisão.
Em 1915, o físico australiano William Lawrence Bragg (1890-1971) recebeu, juntamente com seu pai William Henry Bragg, o Nobel de Física, por trabalhos na análise da estrutura cristalina através da difração de raios-X. Ele tinha apenas 25 anos de idade e, até outubro de 2014, foi a pessoa mais jovem a ser contemplada por um prêmio Nobel.
É dele a seguinte citação:
"Deus executa o eletromagnetismo pela teoria das ondas na segunda-feira, quarta-feira e sexta-feira, e o demônio, pela teoria quântica na terça-feira, quinta-feira e sábado."
Aos 5 anos de idade, Lawrence Bragg caiu de seu velocípede e quebrou o braço. Seu pai, que tinha lido sobre os experimentos de Röntgen na Europa e estava realizando seus próprios experimentos, utilizou-se dos recém-descobertos raios-X do seu equipamento experimental para examinar o braço quebrado de Lawrence. Este foi o primeiro exame radiológico realizado na Austrália.

quarta-feira, 5 de abril de 2017

967 - Receita para disseminar a peste

"No século XIV, os fanáticos guardiães da fé católica declararam guerra contra os gatos nas cidades europeias. Os gatos, animais diabólicos, instrumentos de Satã, foram crucificados, empalados, desossados vivos ou jogados nas chamas. Então os ratos, liberados de seus piores inimigos, se fizeram donos das cidades. E a peste negra, transmitida pelos ratos, matou trinta milhões de europeus." In: "Os filhos dos dias", de Eduardo Galeano
As condições sanitárias da Europa Medieval provocaram a maior e a mais trágica das epidemias na história: a Peste Bubônica, mais conhecida por Peste Negra. Ela foi a responsável pela morte de milhões de pessoas no século 14. Historiadores estimam que um terço da população do continente não resistiu ao poder letal da bactéria Yersinia pestis.
Becos cobertos de lama, sujeira, lixo, animais mortos - as condições eram subumanas na Europa Medieval. Tanta falta de higiene e saneamento dava origem a ratos e pulgas, os grandes transmissores da bactéria da Peste Negra. E a medicina daquela época era um misto de crença popular, magia e astrologia.
Leitura complementar: Lenda do vinagre dos quatro ladrões

domingo, 2 de abril de 2017

966 - Fosfoetanolamina sintética. Um resultado preliminar dos testes clínicos pelo Icesp

O Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp) anunciou nesta sexta-feira (31) que decidiu suspender a inclusão de novos pacientes nos testes clínicos com a fosfoetanolamina, composto polêmico que ficou conhecido como "pílula do câncer", devido à ausência de "benefício clínico significativo" nas pesquisas realizadas até o momento.
Ao todo, 72 pacientes, de 10 diferentes grupos de tumores, foram tratados até o momento nesse estudo da fosfoetanolamina. Destes, 59 tiveram suas reavaliações, e 58 não apresentaram resposta considerada objetiva pelos médicos. Apenas um paciente, que tem melanoma, apresentou uma resposta ao tratamento - uma redução de mais de 30% do tamanho das lesões tumorais.
"Neste momento, o estudo tem se revelado muito aquém em termos de taxa de resposta. Conversamos com a comissão que acompanha o estudo a pedido do professor Gilberto Chierice. Fizemos reuniões internas sobre o que fazer com estes resultados e achamos mais prudente suspender a inclusão de novos pacientes no estudo", disse o diretor-geral do Icesp, Paulo Hoff, que supervisionou a pesquisa. [...]
O grupo de câncer colorretal foi o primeiro a completar a inclusão de todos os pacientes previstos nesta fase, e foi encerrado, pois nenhum paciente apresentou resposta objetiva ao tratamento.
"O estudo continua aberto, ele não é fechado. Como em toda boa prática de pesquisa, os pacientes que já foram incluídos continuam recebendo o produto e serão todos acompanhados. O que nós estamos apresentando é um resultado preliminar atendendo a ideia de transparência total", disse Hoff. "Todos os pacientes continuarão sendo acompanhados pelo Icesp", completou.
De acordo com Hoff, o estudo deverá receber sugestões para uma reestruturação. "Se houver continuação com [novos] pacientes, será com [portadores de] melanoma".
Fonte: G1
No Acta: 795 - Fosfoetanolamina



Como surgiu a pílula
A fosfoetanolamina sintética começou a ser estudada no Instituto de Química da USP, em São Carlos, pelo pesquisador Gilberto Chierice, hoje aposentado. Apesar de não ter sido testada cientificamente em seres humanos, as cápsulas foram entregues de graça a pacientes com câncer por mais de 20 anos.

quinta-feira, 30 de março de 2017

965 - As principais dúvidas suscitadas pela postagem ALTURA x ENVERGADURA

Em 19 de fevereiro de 2009, publiquei a postagem altura x envergadura no blog EM que recebeu, até o momento, 156 comentários. Aqui republicada, em 27 de abril de 2010, como 87ª postagem do Acta, recebeu 5 comentários.
As muitas dúvidas dos leitores  podem ser classificadas em cinco tipos:
1
A relação que existe entre a altura e a envergadura de uma pessoa guardam uma proporção geralmente harmoniosa. A partir da envergadura, estima-se a altura dividindo o valor obtido para a envergadura por 1,06 (se homem) ou 1,03 (se mulher). A partir da altura, estima-se a envergadura multiplicando o valor obtido para a altura por 1,06 (se homem) ou 1,03 (se mulher). Esta fórmula é utilizada na espirometria para a obtenção da altura nas situações em que esta não pode ser obtida diretamente, como nos cadeirantes, por exemplo. No entanto, o ideal é que tanto a altura quanto a envergadura sejam medidas diretamente.
2
Em nenhuma hipótese esta fórmula pode ser utilizada por adolescentes com o propósito de saber a altura e/ou envergadura que terão quando adultos. Para prever a altura final, existe uma fórmula (sujeita a erros) que leva em consideração as alturas do pai e da mãe. As previsões podem ser mais acertadas, se combinadas com o estudo da idade óssea e outros exames orientados por endocrinologista ou pediatra.
3
O valor da relação altura x envergadura quando estas são obtidas diretamente pode ser diferente de 1,06 (se homem) e 1,03 (se mulher) sem que isso represente problema. A normalidade não é um número exato é uma faixa (curva normal). No caso da envergadura, os valores compatíveis com a normalidade são atualmente de difícil acesso. Constam de estudos feitos no exterior e no Brasil, na década de 1990, com a finalidade de obter os valores de referência para a espirometria.
4
Por vezes, leitores encaminham perguntas cujas respostas caberiam a eles mesmos com uma simples operação matemática de multiplicação ou divisão.
5
Um problema a ser lembrado é a inexperiência de leitores para medir em si próprios a altura e a envergadura. A altura deve ser tomada, se possível numa balança de consultório (antropométrica), com a pessoa descalça, bem ereta (em posição de sentido), com os calcanhares juntos e os olhos no plano horizontal. Quanto à medida da envergadura, é mais acurada quando se mede a semi-envergadura (distância que vai do manúbrio do esterno à ponta do dedo máximo) multiplicando-a por 2. Não se sentindo capaz é melhor recorrer a um professor de Educação Física ou a um médico.
Bônus
Recomendo assistir a este vídeo:

segunda-feira, 27 de março de 2017

964 - Canadá x EUA. Pacientes com fibrose cística vivem 10 anos mais no Canadá

Pouco acima da fronteira norte dos Estados Unidos, pacientes com a mesma devastadora condição genética - fibrose cística - vivem em média 10 anos mais, concluíram os autores de um trabalho científico de base populacional que foi publicado na revista Annals of Internal Medicine. (DOI: 10.7326 / M16-0858)
Uma equipe de pesquisadores norte-americanos e canadenses descobriu que a idade mediana de sobrevida dos pacientes com fibrose cística é de 50,9 anos no Canadá e 40,6 anos nos Estados Unidos, após ajustar as diferenças entre a saúde geral, a gravidade da doença e os fatores clínicos. Embora o estudo não avalie completamente as causas para a diferença significativa na sobrevivência, os pesquisadores observaram que um melhor acesso aos transplantes de pulmão e cuidados universais de saúde parecem desempenhar papéis importantes.
De fato, ao comparar pacientes canadenses que têm seguro de saúde universal, fornecido pelo governo, com pacientes americanos que têm seguro privado, os pesquisadores não encontraram diferenças no risco de morte. Mas, os pacientes dos EUA com o Medicare ou Medicaid contínuo ou intermitente, ou sem seguro tinham o risco de morte 36 a 77 por cento maior do que o de seus homólogos canadenses.
Siga lendo este artigo em Ars Technica.

sexta-feira, 24 de março de 2017

963 - Medicina tibetana e a passagem da luz

Certa vez visitei o Hospital de Medicina Tradicional, em Lhasa, onde as paredes são revestidas com 76 thangkas enormes - imagens que ilustram os processos pelos quais o corpo humano se supõe funcionar, e que são usados ​​como um auxílio no diagnóstico e tratamento. O chefe do hospital explicou o seu uso, que nestes dias é complementado por técnicas como raios-X e ultrassom. Apesar do fato de que eles não se encaixam com a nossa concepção ocidental de como o corpo funciona, foi surpreendente como muitas vezes o seu uso levou a um diagnóstico correto.
Um dia vou escrever um livro sobre eles - ou, pelo menos, vou terminá-lo já que foi iniciado. Nele, vou comparar o uso tibetano dos thangkas com a maneira pela qual o físico escocês Jame Clerk Maxwell diagnosticou corretamente a passagem das ondas eletromagnéticas (como ondas de luz ou ondas de rádio) através do espaço, apesar de usar um modelo que agora sabemos ser absurdo.
O modelo de Maxwell retratava o espaço como sendo preenchido com uma substância tênue, invisível e fluida, chamada de éter. Ele imaginou que o éter estaria cheio de vórtices de contra-rotação que agiriam como rodas de engrenagem para fazer passar uma perturbação ao longo do mesmo, e seu diagnóstico consistiu em escrever um conjunto de quatro equações para descrever este modelo em termos matemáticos.
Ainda hoje usamos essas equações. Elas são tão corretas quanto as medições podem provar, e até mesmo diante dos efeitos relativistas, ainda que Einstein só tenha desenvolvido suas teorias da relatividade algumas décadas mais tarde.
Mas, como sabemos agora, o éter não existe. O que só mostra que a correção de um diagnóstico não significa que a imagem que usamos para alcançá-lo também esteja correta. Meu único artigo publicado na filosofia expande essa ideia, mas não precisa de uma filosofia profunda para captar o ponto principal: modelos e imagens são uma grande ajuda para o pensamento, mas o fato de que eles funcionem não significa que devemos segui-los literalmente - na ciência, na medicina, ou mesmo pela vida inteira.
In: lenfisherscience.com, traduzido por PGCS

terça-feira, 21 de março de 2017

962 - Um corpo exposto ao vácuo espacial

A versão da NASA, após a realização de experiências relevantes, é que se você acabou exposto ao vácuo do espaço não vai explodir, como mostram nos filmes, mas:
  • Você tem de 9 a 11 segundos de consciência. 
  • A evaporação da água e a saída de ar dos pulmões deixam a boca e o nariz praticamente congelados; o resto do corpo arrefece, porém mais devagar. 
  • Em seguida, vem um período de paralisia, seguido de convulsões e mais paralisia. 
  • A formação de vapor d'água nos tecidos frouxos e no sangue venoso fazem com que o corpo fique com quase o dobro do tamanho. 
  • Caem o ritmo cardíaco e a pressão arterial, enquanto a evaporação da água faz subir a pressão venosa, fazendo cessar a circulação após cerca de 60 segundos. 
  • Final. 
Portanto, se alguma vez você for exposto ao vácuo do espaço não vai ter mais do que 5 ou 10 segundos para reagir e alguns segundos mais para que alguém livre você do problema.
¿Explota un brazo si lo expones al vacío?
No Acta Pulmonale:
492 - Sem a roupa espacial

sábado, 18 de março de 2017

961 - Sob a pele

Os sistemas do corpo humano representados como um mapa de metrô:

quarta-feira, 15 de março de 2017

960 - Maternidade, ao estilo russo



"Maternidade, ao estilo russo" dá uma olhada íntima às mães russas modernas e como elas estão criando seus filhos hoje. Ao pesquisar este livro, Tanja Maier entrevistou centenas de mães russas, vivendo em Moscou, em muitos cantos da Rússia e, literalmente, em todo o mundo. Este livro leva o leitor em uma viagem através de todos os aspectos sobre a criação de crianças, à maneira russa. Apesar de suas muitas abordagens individuais, existem alguns elementos unificadores da maternidade russa, colocando as mães russas modernas muito confortavelmente em algum lugar entre as mães tigres asiáticas e os estilos dos pais mais relaxados na América e Europa.

AS MATRIARCAS
Apesar de costumes tão estranhos quanto colocar os bebês para tomar uma brisa a 10 graus Celsius negativos na varanda, elas também foram tomadas pela febre Montessori ou dos partos na banheira. Oito tendências e tradições das mamães russas, entre as que foram descritas por Tanja Maier, uma americana que viveu na Rússia por quase uma década, estão neste artigo da Gazeta Russa que me foi enviado pelo colaborador Jaime Nogueira.

domingo, 12 de março de 2017

959 - Mortífero ar

Existem lugares no mundo onde a Mãe Natureza realmente pode matar. De tempestades mortais a erupções vulcânicas, há ameaças em toda parte.
E, de todas as zonas de perigo da Terra, qual é a mais mortal?
Ella Davies divide a Terra em seus quatro elementos (água, ar, terra e fogo) para descrever suas zonas de perigo.
AR
Uma série de "lagos assassinos" foram encontrados na África, mas não é a água que é a preocupação.
No lago Nyos, na República dos Camarões, e no Lago Kivu, na fronteira da República Democrática do Congo e do Ruanda, há um perigo invisível. Estes lagos sentam-se em áreas de atividade vulcânica onde o dióxido de carbono escapa de abaixo do solo.
Durante uma "erupção línica", o dióxido de carbono explode do fundo do lago para formar uma nuvem. Porque o gás é mais pesado que o ar, ele desce, afastando o oxigênio e sufocando qualquer vida na área. Depois de duas erupções na década de 1980, que mataram mais de 1.700 pessoas e 3.500 animais em Camarões, especialistas desenvolveram métodos para aliviar com segurança o Nyos de seu gás, usando tubos e sifões.
Um desastre em potencial foi revertido no lago Kivu, onde há também o gás metano que escapa da Terra. Um projeto foi estabelecido para usar o gás sifonado de modo a obter energia e levar eletricidade para milhões de pessoas. Mas não são apenas os gases que podem matar. O próprio ar pode provocar um castigo mortal quando os ventos se tornam brutais.
O Cabo Denison na Antártida é, em uma média anual, o lugar mais ventoso na Terra. Sem surpresa, é desabitado.
No entanto, as tempestades sazonais causam devastação em áreas povoadas em todo o mundo.
As tempestades mais fortes se formam sobre oceanos quentes ao norte e ao sul do equador. Aqui, os ventos alísios são impulsionados pela mudança de pressão e girados pelo efeito Coriolis, criando sistemas meteorológicos rotativos conhecidos como furacões, ciclones e tufões.
Quando se trata dessas tempestades, o Haiti é considerado a ilha mais vulnerável do Caribe. Não só se encontra em uma estrada de furacão, mas o país atingido pela pobreza carece de resiliência. Os assentamentos são construídos em planícies de inundação, as defesas naturais do país como florestas foram degradadas, e sua economia não é suficiente para financiar sistemas de alerta.
Isso explica por que as tempestades mais intensas não são necessariamente as mais mortíferas.
Jörn Birkmann é especialista em riscos de desastres naturais na Universidade de Stuttgart, na Alemanha. Ele diz que os ciclones são perigosos porque são difíceis de prever.
"É importante mencionar que as pistas ciclônicas mais prováveis ​​mudarão seu padrão espacial", diz ele. "Isso significa que os ciclones ocorrerão em algumas regiões que não viram ciclones antes ou apenas muito poucos. Portanto, estas regiões estão altamente em risco, já que as pessoas e as comunidades não têm ou têm muito pouco conhecimento sobre como se preparar para ciclones".
Birkmann faz parte da equipe que compila anualmente o Relatório Mundial dos Riscos, publicado pela Universidade das Nações Unidas. Que destaca os países mais vulneráveis ​​às catástrofes naturais, tendo em conta tanto a sua exposição como a sua resiliência, com a intenção de concentrar os esforços globais em sua proteção.
Em 2016, Vanuatu encabeçou a lista. Mais de um terço da população da ilha é afetada por desastres naturais a cada ano. Em 2015, um terremoto, uma erupção vulcânica e um severo ciclone incidiram na ilha em apenas algumas semanas e 11 pessoas foram oficialmente consideradas mortas.
Este número de mortes relativamente baixo é um testemunho dos esforços globais para proteger as pessoas de desastres naturais: tanto durante, com infra-estrutura melhorada, como depois, com melhores esforços de ajuda. Para comparação, as piores perdas de vidas devido a um ciclone aconteceram em novembro de 1970, quando Bangladesh foi atingido pelo ciclone Bhola. Quase 500 mil pessoas morreram.
Ler o artigo na íntegra: The places on Earth where nature is most likely to kill you, site BBC.